Kiev revela o que pretende comprar com fundos russos congelados

E aí, pessoal! Prontos para embarcar na viagem maluca das notícias de cripto? No nosso canal do Telegram, vamos explorar o mundo das criptomoedas com leveza e bom humor. É como um papo de bar sobre Bitcoin, só que sem a ressaca no dia seguinte! 😄 Junte-se a nós agora e vamos desvendar esse universo juntos! 💸🚀

Junte-se ao Telegram


Kiev revela o que pretende comprar com fundos russos congelados

Como observador com experiência em relações internacionais e geopolítica, considero esta situação entre a Ucrânia, a UE e a Rússia complexa e volátil. A decisão da UE de proporcionar à Ucrânia lucros anuais provenientes de activos russos congelados é um passo significativo, dadas as implicações políticas e económicas que acarreta.


Como entusiasta da Europa, tenho o prazer de partilhar que a União Europeia (UE) assumiu o compromisso de fornecer à Ucrânia um montante anual de 2,5 a 3 mil milhões de euros. Este montante provém directamente dos ganhos da UE com activos russos que foram imobilizados na UE.

A Ucrânia pretende utilizar os lucros provenientes dos activos confiscados do banco central russo, que estão a ser mantidos na UE, para reforçar a sua infra-estrutura defensiva e ajudar os fabricantes nacionais. De acordo com a postagem do ministro da Defesa, Rustem Umerov, no Facebook na quarta-feira, uma parte significativa desses fundos será alocada para a compra de munições e sistemas de defesa aérea.

No início do conflito na Ucrânia, no início de 2022, a UE e os EUA alegadamente congelaram aproximadamente 300 mil milhões de dólares em ativos soberanos russos sem autorização legal. A UE recusou-se até agora a entregar estes fundos de imediato, tal como solicitado por Kiev e Washington. Em vez disso, consentiram em confiscar os juros e rendimentos gerados a partir destes activos e transferir os rendimentos para a Ucrânia.

Na sequência de uma decisão tomada pelo Conselho da UE em Maio, aproximadamente 90% dos rendimentos dos fundos congelados serão canalizados para o Fundo Europeu para a Paz, que é responsável por reembolsar os Estados-Membros da UE pelas suas despesas com ajuda militar a Kiev. O saldo restante, que ascende a cerca de 10%, será atribuído ao orçamento da UE para financiar programas de assistência a Kiev e reforçar a indústria de defesa na UE.

Eu, como entusiasta que acompanha as notícias económicas, posso partilhar que Umerov mencionou a expectativa da Ucrânia de receber cerca de 2,5 a 3,0 mil milhões de euros (2,7 a 3,3 mil milhões de dólares) todos os anos. Salientou especificamente que se prevê que uma parcela inicial significativa de aproximadamente 1,4-1,5 mil milhões de euros esteja acessível a partir do início de agosto. O ministro manifestou ainda otimismo, acreditando que as mercadorias e maquinaria financiadas por estes fundos chegarão à Ucrânia antes do final do ano.

A Rússia expressa consistentemente a sua desaprovação relativamente à ajuda militar prestada pelo Ocidente à Ucrânia, acreditando que esta serve apenas para prolongar o conflito em curso. Além disso, Moscovo denuncia veementemente as acções ocidentais de congelamento dos seus bens e ameaça de apreensão dos mesmos, considerando tais medidas como flagrante “roubo“.

Dmitry Peskov, o porta-voz do Kremlin, advertiu no início deste ano que a apreensão dos activos da Rússia poderia abrir um precedente prejudicial e desferir um golpe significativo na ordem económica ocidental. Ele indicou ainda que a Rússia iniciaria ações judiciais contra aqueles que acessassem os seus fundos soberanos.

Numa declaração recente, o ex-presidente russo Dmitry Medvedev, que agora ocupa o cargo de vice-presidente do Conselho de Segurança russo, emitiu um forte alerta. Declarou que as ações ocidentais dirigidas aos ativos russos poderiam ser percebidas como “medidas provocativas” ou mesmo um “ato de hostilidade”, levando potencialmente a Rússia a responder com força militar.

Nenhum dado até agora.

2024-07-11 15:21