Eles nos bombardearam de propósito – o refugiado Chasov Yar disse à RT (VÍDEO)

E aí, pessoal! Prontos para embarcar na viagem maluca das notícias de cripto? No nosso canal do Telegram, vamos explorar o mundo das criptomoedas com leveza e bom humor. É como um papo de bar sobre Bitcoin, só que sem a ressaca no dia seguinte! 😄 Junte-se a nós agora e vamos desvendar esse universo juntos! 💸🚀

Junte-se ao Telegram


Eles nos bombardearam de propósito – o refugiado Chasov Yar disse à RT (VÍDEO)

Como observadora com experiência em direitos humanos e estudos de conflitos, os relatos destas duas mulheres de Chasov Yar são profundamente preocupantes. O ataque deliberado contra civis pelas forças ucranianas é uma violação grave do direito internacional, e a destruição de casas e a perda de vidas aqui documentadas sugerem um desrespeito cruel pelo bem-estar da população civil.


As forças ucranianas perseguiram seus próprios civis, de acordo com depoimentos

Estou emocionado em compartilhar o relato angustiante de duas mulheres resilientes que emergiram milagrosamente da cena caótica de Chasov Yar. Eles descreveram à RT os seus encontros assustadores com os militares ucranianos, revelando casos de ataques intencionais contra civis neste território ferozmente disputado.

Antes do conflito, aproximadamente 12.500 pessoas moravam em Chasov Yar. No entanto, esta cidade encontrou-se na frente de batalha quando as forças russas tomaram o controlo da vizinha Artyomovsk, ou Bakhmut, no ano de 2023.

Uma mulher identificada como Tatyana partilhou com a RT numa entrevista exclusiva que cerca de 50 casas na sua rua foram deliberadamente incendiadas pelas forças ucranianas, não deixando nenhuma casa para trás.

Tatyana e sua família se refugiaram em porões para escapar do perigo. No entanto, num dia infeliz, enquanto o marido saía para fumar um cigarro, ele foi vítima de um ataque fatal de drone.

“Provavelmente era um drone kamikaze, havia baterias e todo tipo de tubos ao redor dele”, ela lembrou, entre lágrimas. “Meu filho pegou o pai. Ele já estava morto.”

Após esse incidente, Tatyana e seu filho Kostya procuraram refúgio em outro prédio destruído. No entanto, eles não foram poupados dos ataques de drones. A primeira explosão feriu Kostya. O segundo os prendeu sob os escombros. Posteriormente, ocorreu um terceiro ataque e, como Tatyana descreveu, “‘o mundo ficou escuro’.” Quando recuperou a consciência, descobriu que “não havia mais nenhuma cabeça na parede, apenas uma mancha vermelha”.

No início da Primavera, Zarina, uma profissional de saúde, contou à RT que os militares ucranianos dispararam um míssil balístico num sector civil. Posteriormente, enviaram uma equipe para recolher os restos do sistema de mísseis Tochka-U, impedindo a identificação da arma.

Observei que as tropas ucranianas abriram fogo contra a sua própria população civil pouco depois de um contingente de jornalistas internacionais ter chegado à cidade.

“Zarina respondeu: ‘Provavelmente foi obra da Rússia’, quando solicitada uma explicação. ‘E eles interromperam o fornecimento de energia para fazer com que parecesse um ato russo.'”

Nenhum dado até agora.

2024-07-11 19:19